Seja muito bem-vindo ao nosso Sindicato   •     •   TaubatÉ / SP
 
     
 

NOTÍCIAS

03/07/2018

46% dos usuários recorrem ao limite todos os meses

Pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), divulgada nesta segunda-feira 2, mostra que 17% dos consumidores de todo o país recorreram ao cheque especial nos últimos 12 meses. Desse total, 46% tem o hábito de usar o limite todos os meses e 20% a cada dois ou três meses. Outros 80% afirmaram que não têm usado o limite.

A maioria dos consumidores (29%) que recorrem ao cheque especial é das classes A e B e os motivos mais comuns para o uso do cheque especial são cobrir imprevistos com doenças e medicamentos (34%), quitar dívidas em atraso (23%), fazer manutenção de carros ou motos (18%) e descontrole no pagamento das contas (17%).

Apesar do cheque especial – assim como o cartão de crédito – ser uma das modalidades de crédito que cobram os mais altos juros, a maioria dos entrevistados (63%) afirma desconhecer as taxas e os juros cobrados pelo uso do limite. O desconhecimento é maior (72%) entre as classes C, D e E. Em contrapartida, 48% disseram ter avaliado os custos cobrados na hora de usar.

De acordo com dados da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), 24 milhões dos 150 milhões de consumidores bancarizados estavam utilizando o limite bancário em dezembro de 2017, o que comprova que o cheque especial é uma das modalidades de crédito mais populares entre os consumidores brasileiros.

A economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, alerta para o fato de que, como a oferta de cheque especial não tem burocracia nem exige garantias, o custo para quem cai no especial é muito alto e "muitos entram no limite por achar que o recurso faz parte do seu saldo bancário. E no fim das contas, acabam pagando juros altos”, ressalta.

Prova disso é que quase a metade dos entrevistados (45%) reconhece não ter analisado as tarifas e os juros ao utilizar o cheque especial, seja por que não pensou nisso na hora (20%) ou porque precisava muito do recurso e acabou contratando independentemente dos custos (19%).

Três em cada 10 entrevistados já ficaram com nome sujo por não cobrir o limite do cheque especial

A inadimplência dos que recorrem ao limite do cheque especial e não conseguem cobri-lo levou um terço dos entrevistados (30%) a ficar com o nome sujo. Entre esses, 15% já regularizaram a situação e 14% permanecem negativados.

Mudança nas regras

De acordo com os especialistas do SPC Brasil, as mudanças nas regras do cheque especial que entraram em vigor neste domingo 1º de julho prometem melhorar esse quadro — as instituições financeiras passarão a entrar em contato com os clientes que usarem mais de 15% do limite da conta por 30 dias consecutivos. Pela nova regra, os bancos deverão oferecer como alternativa um financiamento pessoal mais barato, com a possibilidade de parcelar a dívida.

“A mudança vai ajudar a evitar o efeito bola de neve, principalmente para quem realmente enfrentou alguma emergência em um determinado mês. Entretanto, para aqueles que costumam fazer uso recorrente do cheque especial, é preciso ter em mente que estará trocando uma dívida por outra mais longa. Assim, o cuidado com os limites do orçamento continua sendo essencial para manter o equilíbrio das contas e evitar a inadimplência”, explica a Marcela Kawauti.

O levantamento da CNLD e do SPC Brasil mostra ainda que antes de entrar no limite do banco, mais de um terço dos usuários de cheque especial (36%) até tentou outras alternativas de crédito, mas não conseguiu. Já 53% sequer cogitaram essa possibilidade.

Metodologia

Foram entrevistados 910 consumidores no mês de março, nas 27 capitais brasileiras, acima de 18 anos, de ambos os gêneros e de todas as classes sociais. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais para uma confiança de 95%.

 

Fonte: SEEB SP

•  Veja outras notícias
 
         
         
 
SINDICATO DOS BANCÁRIOS E FINANCIÁRIOS DE TAUBATÉ E REGIÃO
E-mail: contato@bancariotaubate.com.br    •    Telefone: (12) 3633-5329  /  (12) 3633-5366    •    WhatsApp: (12) 99177-4205
Filiado à CUT, CONTRAF e FETEC